Professora usa contos de fadas para discutir machismo em sala de aula com as crianças, by Andréa Martinelli

Source: http://www.brasilpost.com.br/2015/04/10/professora-direitos-humanos_n_6958886.html

Quem disse que toda princesa precisa de um príncipe?
Quem disse que a princesa pode ser beijada enquanto dorme?
Quem disse que o amor verdadeiro só existe entre um príncipe e uma princesa?
Quem disse que apenas o príncipe pode salvar a princesa?

Pensando em apresentar diferentes versões de uma mesma história para seus alunos, uma professora de Uruguaiana (RS), que prefere não se identificar, desenvolveu um projeto especial para discutir questões sociais em sala de aula como abuso sexual, relações afetivas e machismo com seus alunos do ensino fundamental.

Durante uma de suas aulas, Sandra P. leu A Bela Adormecida. Em outro dia, uma de suas turmas assistiu ao filme Malévola, da Disney, que mostra uma versão diferente do conto de fadas. A professora então comparou as duas histórias e um dos alunos, de forma surpreendente, levantou a questão do beijo que acorda a princesa. No filme, ele é dado pela fada madrinha, enquanto no conto de fadas, pelo príncipe.

“Com o final surpreendente dos filmes tive a ideia de problematizar essas questões em sala com os alunos, e as discussões deram muito certo. Eles questionaram, debateram sobre o tema. Sempre busco com que meus alunos problematizem o que estão vendo e/ou lendo”, contou Sandra em entrevista ao Brasil Post.

‘Será que o amor da mãe da princesa também não era verdadeiro, tinha que ser só o príncipe?’ e ‘por que só os homens podem salvar as mulheres?’, foram perguntas levantadas por alguns dos alunos. O trabalho feito em sala de aula acabou caindo nas redes sociais no começo deste ano e teve quase 13 mil compartilhamentos:

10959631_778091648906330_4134630871954988003_n

À época, o Brasil Post tentou falar com a professora mas, por causa de alguns comentários ofensivos que recebeu nas redes sociais, Sandra decidiu não falar sobre o assunto durante um tempo. Mas hoje, satisfeita com a repercussão, ela conta que “aceitou divulgar o trabalho para que educadores pudessem usar a ideia e desenvolver esse tipo de trabalho com os alunos em outras escolas”.

A ideia de usar os contos de fada para discutir assuntos mais sérios surgiu ano passado. “Também trabalhei com um conto em que os príncipes eram gays, para discutir sobre a homofobia que, atualmente, também é um grande problema social”, conta. Tanto que o projeto foi batizado de“Um outro olhar para os contos de fada” e foi apoiada pela escola em que trabalha.

“Eu acredito que a formação de uma sociedade mais justa começa dentro da sala de aula e com as crianças desde pequenas. Os professores devem se questionar sempre: que tipo de cidadão eu estou formando?”, apontou a docente gaúcha.

Femininja

aula direitos humanos

Para trabalhar também a questão de gênero, Sandra usou como exemplo o filme “Frozen” (cartaz acima) e fez um paralelo também com a história de Malévola. Em ambas, fica explícito que o amor verdadeiro nem sempre está em um homem, como muitos dos contos de fadas ensinam, mas em qualquer outra pessoa, independente do gênero.

“Não adianta eu fechar a porta da minha sala de aula e construir um universo lá dentro enquanto aqui fora existe um cheio de problemas sociais graves. Nós, educadores, não podemos ignorar a realidade dos fatos, mas sim, encarar e buscar sempre a melhor forma de mudar essa situação”, incentiva Sandra.

Por causa da repercussão de seu trabalho, Sandra foi chamada nas redes sociais de “femininja” – por ser uma das mulheres que luta à favor do feminismo e por uma sociedade mais justa e igualitária. Ela concorda: “Eu não aceito e não me sinto inserida nesse modelo de sociedade patriarcal. E eu luto todos os dias pra mudar um pouco dessa situação, sei que é um ‘trabalho de formiguinha’, mas somos muitas e somos fortes.”

*Nome fictício

Anúncios